Segunda-feira, 22.03.10

...

 

 

Tive a sorte de conhecer uma mulher extraordinária.

Digo extraordinária como poderia dizer única, singular, especial, grandiosa. Mesmo assim ainda ficaria muito por dizer.

A tranquilidade foi o grande bastão da sua vida.

Em alguns momentos de inquietação, sabia transformá-los numa serenidade absoluta guiada por uma fé inexplicável que lhe trazia sempre o sorriso ao rosto.

Sem conformismo, sem submissão, sem revolta, mas segura, rija, baluarte de gerações a quem transmitiu a absoluta certeza de que cada momento é apenas o momento antes do momento seguinte.

Tive a sorte de conhecer esta mulher que me deu uma lição de vida e a vida como lição, que sabia tocar na felicidade subtilmente como se toca numa flor, que tinha nos olhos a importância de cada gesto e me agarrava com as mãos abertas cheias de amor como se cada despedida nunca fosse o fim.

Que humildade me fica, que tão pouco digo quando falo nela!

 

 

publicado por portosolidao@sapo.pt às 21:12 link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
Segunda-feira, 23.03.09

Quando me amei de verdade...

Quando me amei de verdade, compreendi que em qualquer circunstância eu estava no lugar certo, na hora certa, no momento exacto. E, então, pude relaxar. Hoje sei que isso tem nome... Auto-estima.

Quando me amei de verdade, pude perceber que a minha angústia, o meu sofrimento emocional, não passa de um sinal de que estou indo contra as minhas verdades. Hoje sei que isso é... Autenticidade.
Quando me amei de verdade, parei de desejar que a minha vida fosse diferente e comecei a ver que tudo o que acontece contribui para o meu crescimento. Hoje chamo isso de... Amadurecimento.
Quando me amei de verdade, comecei a perceber como é ofensivo tentar forçar alguma situação ou alguém apenas para realizar aquilo que desejo, mesmo sabendo que não é o momento ou a pessoa não está preparada, inclusive eu mesmo. Hoje sei que o nome disso é... Respeito.
Quando me amei de verdade, comecei a livrar-me de tudo que não fosse saudável ... Pessoas, tarefas, tudo e qualquer coisa que me pusesse para baixo. De início, minha razão chamou essa atitude de egoísmo. Hoje sei que se chama... Amor-próprio.
Quando me amei de verdade, deixei de temer o meu tempo livre e desisti de fazer grandes planos, abandonei os projectos megalómanos de futuro. Hoje faço o que acho certo, o que gosto, quando quero e no meu próprio ritmo. Hoje sei que isso é... Simplicidade.
Quando me amei de verdade, desisti de querer ter sempre razão e, com isso, errei muito menos vezes. Descobri a... Humildade.

Quando me amei de verdade, desisti de ficar revivendo o passado e de me preocupar com o futuro. Agora, me mantenho no presente, que é onde a vida acontece. Hoje vivo um dia de cada vez. Isso é... Plenitude.

Quando me amei de verdade, percebi que a minha mente pode me atormentar e me decepcionar. Mas quando eu a coloco a serviço do meu coração, ela se torna uma grande e valiosa aliada. Isso é.... Saber viver!!!
"Não devemos ter medo dos confrontos... Até os planetas se chocam e do caos nascem as estrelas."
Charles Chaplin

mais sobre mim

pesquisar

 

Abril 2011

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

últ. comentários

mais comentados

  • 1 comentário

links

as minhas fotos

blogs SAPO


Universidade de Aveiro