Ser pessoa

 

A pessoa é por definição um “ser-para-os-outros”.
Fechado sobre si mesma deixa de ser pessoa em plenitude. Continua a ter a sua dignidade que ninguém lhe pode tirar. Podem magoá-la, violá-la, ignorá-la, mas ninguém pode tirar a ninguém a sua dignidade radical.
Para se realizar plenamente tem de se abrir aos outros.
 
Abrir-se aos outros é estar disponível para os apoiar e para ser apoiado por eles.
É ser agente de uma história cada vez mais humana e portanto melhor para os outros e para mim. A abertura aos outros implica aceitar e lutar pelo bem-estar de todos, por uma melhor qualidade de vida, que é sempre uma conquista longa, difícil e contínua.
 
Abrir-se aos outros é também respeitar, admirar e reverenciar a natureza, torná-la mais bela ainda e mais acolhedora para todos, os que estão entre nós mas também e sobretudo os que ainda não nasceram.
 
Ser pessoa é, pois, ser cidadão consciente e livre.
 
Ninguém pode ser verdadeiramente feliz se se fechar e não der o seu contributo, um contributo que é sempre único e insubstituível, como o é o nosso DNA.
Se alguém não colaborar ficamos todos mais pobres.
Ninguém pode demitir-se de ser pessoa seja for por preguiça, por medo, por cansaço, por sacrifício.
Fazê-lo é trair-se a si e trair os outros.
tags:
publicado por portosolidao@sapo.pt às 22:19 link do post | comentar | favorito