Solidão

 

 É difícil definir solidão. Provavelmente já todos, num momento ou outro, experimentámos esse sentimento e, se déssemos o nosso testemunho, certamente o encheríamos com adjectivações diferentes, ainda que, no fundo, pudéssemos sintetizá-lo a sensações de abandono, de desenraizamento, de separação, de não identificação.

Estes sentimentos, vividos de forma permanente e prolongada, podem provocar-nos insegurança, ansiedade, falta de esperança, inutilidade, rejeição, depressão.

É, afinal, a ausência de ser amado e de amar. Desde logo, de nos amarmos a nós mesmos como homens e mulheres, cheios de defeitos e virtudes, cheios de sonhos e frustrações, cheios de forças e fraquezas.

A solidão está intimamente ligada a perdas e mudanças dos mais diversos tipos.  Isolamo-nos para chorar as nossas perdas, distanciamo-nos para conviver com as nossas mudanças e, sem darmos conta, rejeitamos o mundo à nossa volta e tornamo-nos irreconhecíveis perante nós mesmos.

É nessas alturas que precisamos de apoio, que temos de encontrar alguma energia para contrariar o desânimo.

Não é fácil, sobretudo porque ninguém nos resolve os nossos problemas. Mas pode haver alguém que nos escute e que esteja disposto a caminhar ao nosso lado, para nos dar o braço todas as vezes que cambaleamos.

 

 

publicado por portosolidao@sapo.pt às 15:02 link do post | comentar | favorito