Quinta-feira, 28.05.09

Reverência ao Destino

Falar é sempre fácil quando se tem palavras em mente que expressem sua opinião.

Difícil é expressar por gestos e atitudes o que realmente queremos dizer, o quanto queremos dizer, antes que a pessoa se vá.

Fácil é julgar pessoas que estão sendo expostas pelas circunstâncias.

Difícil é encontrar e reflectir sobre os seus erros,

ou tentar fazer diferente algo que já fez muito errado.

Fácil é ser colega, fazer companhia a alguém, dizer o que ele deseja ouvir.

Difícil é ser amigo para todas as horas e dizer sempre a verdade quando for preciso.

E com confiança no que diz.

Fácil é analisar a situação alheia e poder aconselhar sobre esta situação.

Difícil é vivenciar esta situação e saber o que fazer ou ter coragem para fazer.

Fácil é demonstrar raiva e impaciência quando algo o deixa irritado.

Difícil é expressar o seu amor a alguém que realmente te conhece, te respeita e te entende. 

E é assim que perdemos pessoas especiais.

Fácil é mentir aos quatro ventos o que tentamos camuflar.

Difícil é mentir para o nosso coração.

Fácil é ver o que queremos enxergar.

Difícil é saber que nos iludimos com o que achávamos ter visto. 

Admitir que nos deixamos levar, mais uma vez, isso é difícil.

Fácil é dizer "oi" ou "como vai?"

Difícil é dizer "adeus", principalmente quando somos culpados pela partida de alguém das nossas vidas...

Fácil é abraçar, apertar as mãos, beijar de olhos fechados.

Difícil é sentir a energia que é transmitida.

Aquela que toma conta do corpo como uma corrente eléctrica quando tocamos a pessoa certa.

Fácil é querer ser amado.

Difícil é amar completamente só.

Amar de verdade, sem ter medo de viver, sem ter medo do depois.

Amar e se entregar, e aprender a dar valor somente a quem te ama.

Fácil é ouvir a música que toca.

Difícil é ouvir a sua consciência, acenando o tempo todo, mostrando nossas escolhas erradas.

Fácil é ditar regras.

Difícil é segui-las.

Ter a noção exacta de nossas próprias vidas, ao invés de ter noção das vidas dos outros.

Fácil é perguntar o que deseja saber.

Difícil é estar preparado para escutar esta resposta ou querer entender a resposta.

Fácil é chorar ou sorrir quando der vontade.

Difícil é sorrir com vontade de chorar ou chorar de rir, de alegria.

Fácil é dar um beijo.

Difícil é entregar a alma, sinceramente, por inteiro.

Fácil é sair com várias pessoas ao longo da vida.

Difícil é entender que pouquíssimas delas vão te aceitar como você é e te fazer feliz por inteiro.

Fácil é ocupar um lugar na lista telefónica.

Difícil é ocupar o coração de alguém, saber que se é realmente amado.

Fácil é sonhar todas as noites.

Difícil é lutar por um sonho.

 

Eterno é tudo aquilo que dura uma fracção de segundo, mas com tamanha intensidade que se petrifica e nenhuma força jamais o resgata.

Carlos Drummond de Andrade

 

 

Temos rostos. Somos pessoas iguais a todas as outras. Nas nossas vidas, também deparamos com espinhos e com rosas quase murchas. Contudo, acreditamos que é sempre possível redescobrir o sol da vida.

Como diz o poeta, viver não é fácil!

 

publicado por portosolidao@sapo.pt às 07:02 link do post | comentar | favorito
Domingo, 24.05.09

Rostos pela Solidão

Não somos anónimos. Temos rostos. Cada um de nós responde por um nome e todos respondemos pelo nome de Porto Solidão.

Para além deste blog vamos-nos distribuindo pelos diversos apoios que prestamos - neste blog; nos domicilios, para aqueles que se encontram incapacitados; no telefone 96 7001747 (todos os dias das 21 às 23 horas) e no CAF onde, todas as terças feiras, temos um voluntário das 18 às 20 horas.

É por acreditarmos que a beleza está naquilo que se dá que criámos este projecto. Em cada um destes atendimentos está um desses rostos disponível para acolher quem precisa de redescobrir o sol da vida

tags:
publicado por portosolidao@sapo.pt às 21:16 link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
Segunda-feira, 11.05.09

Belezas

O mundo está cheio de beleza.

Infelizmente nós perdemos, pela falta de uso, a capacidade de nos maravilharmos, de olhar com olhos límpidos as coisas belas. E, talvez por isso, estamos sempre a ver o que há de mais feio no mundo, na natureza, nas pessoas. Caímos para o lado negativo que todas as coisas e todas as pessoas têm.

E é pena. Porque assim também nos habituamos a olhar mais o nosso lado “desgraçadinho” do que o nosso lado agradável, simpático, amoroso.

 

Neste contexto há um tipo de beleza que gostava de referir.

É a beleza de ajudar alguém a ser um pouquinho mais feliz.

É a beleza de dar o espaço e a importância que cada um de nós tem, independentemente das nossas opiniões, da nossa cor de pele, da nossa condição, porque somos pessoa, sujeito livre e consciente.

É a beleza de estimular alguém a aceitar e a assumir a sua condição de cidadão, isto é, de agente e construtor da história, nem que seja apenas com uma pedra, a “sua pedra”.

É a beleza de acolher quem não se sente acolhido.

É, no fundo, a beleza da solidariedade, construída no amor ao outro e na alegria genuína de aceitar o esforço e o cansaço que tal tarefa pode exigir.

 

Esta é uma beleza que todos temos e que todos podemos dar.

Por mais sós, ignorantes, inúteis que nos sintamos, temos de dar o salto para o outro lado da nossa vida.

Então a nossa própria vida será mais bela.

E a dos outros também.

Porque a beleza (como a maldade ou uma doença infecciosa) “pega-se”.

 

publicado por portosolidao@sapo.pt às 23:55 link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito
Segunda-feira, 04.05.09

Arte

 

           A arte da vida consiste em fazer da vida uma obra de arte

 

 

                                                                                   Mahatma Gandhi

tags: ,
publicado por portosolidao@sapo.pt às 11:31 link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito

mais sobre mim

pesquisar

 

Maio 2009

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
25
26
27
29
30
31

últ. comentários

mais comentados

links

subscrever feeds

as minhas fotos

blogs SAPO


Universidade de Aveiro