Quinta-feira, 26.03.09

Uma lição de vida!

 

Que este pequeno video nos faça reflectir ...

publicado por portosolidao@sapo.pt às 20:01 link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito
Terça-feira, 24.03.09

Atreva-se...

“Bom mesmo é ir à luta com determinação,

abraçar a vida com paixão,
perder com classe e vencer com ousadia,
pois o triunfo pertence a quem se atreve...
A vida é muita para ser insignificante.”
 
Charles Chaplin
publicado por portosolidao@sapo.pt às 23:32 link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
Segunda-feira, 23.03.09

Quando me amei de verdade...

Quando me amei de verdade, compreendi que em qualquer circunstância eu estava no lugar certo, na hora certa, no momento exacto. E, então, pude relaxar. Hoje sei que isso tem nome... Auto-estima.

Quando me amei de verdade, pude perceber que a minha angústia, o meu sofrimento emocional, não passa de um sinal de que estou indo contra as minhas verdades. Hoje sei que isso é... Autenticidade.
Quando me amei de verdade, parei de desejar que a minha vida fosse diferente e comecei a ver que tudo o que acontece contribui para o meu crescimento. Hoje chamo isso de... Amadurecimento.
Quando me amei de verdade, comecei a perceber como é ofensivo tentar forçar alguma situação ou alguém apenas para realizar aquilo que desejo, mesmo sabendo que não é o momento ou a pessoa não está preparada, inclusive eu mesmo. Hoje sei que o nome disso é... Respeito.
Quando me amei de verdade, comecei a livrar-me de tudo que não fosse saudável ... Pessoas, tarefas, tudo e qualquer coisa que me pusesse para baixo. De início, minha razão chamou essa atitude de egoísmo. Hoje sei que se chama... Amor-próprio.
Quando me amei de verdade, deixei de temer o meu tempo livre e desisti de fazer grandes planos, abandonei os projectos megalómanos de futuro. Hoje faço o que acho certo, o que gosto, quando quero e no meu próprio ritmo. Hoje sei que isso é... Simplicidade.
Quando me amei de verdade, desisti de querer ter sempre razão e, com isso, errei muito menos vezes. Descobri a... Humildade.

Quando me amei de verdade, desisti de ficar revivendo o passado e de me preocupar com o futuro. Agora, me mantenho no presente, que é onde a vida acontece. Hoje vivo um dia de cada vez. Isso é... Plenitude.

Quando me amei de verdade, percebi que a minha mente pode me atormentar e me decepcionar. Mas quando eu a coloco a serviço do meu coração, ela se torna uma grande e valiosa aliada. Isso é.... Saber viver!!!
"Não devemos ter medo dos confrontos... Até os planetas se chocam e do caos nascem as estrelas."
Charles Chaplin
Terça-feira, 17.03.09

"A vida tem outro sentido": testemunhos

"É na cidade que somos cidadãos e exercemos a cidadania. A cidade é berço de liberdade e de acção criativa, é rosto vivo do pluralismo que nela fervilha. Cidade são centros e periferias. E cidade é também individualismo e solidão, encontro contínuo de isolamentos vários, é estar com e estar só, é o salve-se quem puder estando todos juntos, é espaço e tempo da inclusão e da exclusão de concidadãos."

[Joaquim Azevedo, 2001, Comunidades (de) aprendentes, Um futuro outro para as cidades e para os cidadãos]

 

Os mais velhos, não é novidade, constituem uma parte da população particularmente exposta à exclusão e à solidão. Mas, nem por isso deixam de partilhar a sua esperança e testemunho.

 

publicado por portosolidao@sapo.pt às 22:54 link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
Quarta-feira, 11.03.09

A vida é bela

 

http://apod.nasa.gov/apod/image/0812/smileyfaceatsunset-2000px-mikesalway.jpg

 

Esta foto é, para mim, o retrato da nossa maneira de viver.

É assim a nossa vida. Com cores carregadas. Com cores bonitas. Sucessivas ou alternadas. Mas umas e outras sempre estão presentes. A nossa vida é uma tela com cores multifacetadas, cuja pluralidade só nos enriquece.

Ninguém vive só com nuvens escuras. Ninguém vive só com o azul celeste.

Esta imagem seria mais alegre só com o céu azul? Ou seria mais tristonha só com as nuvens negras? É possível. Mas é este contraste que a torna agradável à vista e ao coração.

De qualquer modo, cada um escolhe o que mais gosta: o vermelho do pôr do sol, a beleza da Lua a cruzar-se com Vénus e com Júpiter, a ameaça de borrasca que as nuvens anunciam, a serenidade das águas do lago.

Somos como somos, queixam-se alguns. 

Mas rigorosamente só em parte somos como somos (genética); também somos o que queremos ser, como queremos viver (cultura). E no ser humano a cultura sobrepõe-se à genética. Não somos apenas animais com instinto. 

Ser optimista, olhar as coisas de modo positivo torna a vida mais positiva, mais alegre.

A opção é de cada um. Mas porque se trata de uma opção, podemos sempre escolher. Isto é, não ficamos amarrados ao fatalismo.

Existimos porque somos agentes construtores da nossa vida e da história de todos.

Se assim não for, "não somos".

 

publicado por portosolidao@sapo.pt às 23:58 link do post | comentar | ver comentários (5) | favorito
Domingo, 08.03.09

Pelas Mulheres

É hoje comemorado o Dia Internacional da Mulher.

Historicamente apontam-se, como origem desta celebração, as lutas laborais das operárias numa fábrica de Nova Iorque que terão ocorrido em 1857.

É em 1975 que as Nações Unidas declaram o dia 8 de Março como o Dia Internacional da Mulher.

O fundamento para esta comemoração é a tomada de consciência do valor da mulher como pessoa de direitos plenos.

Em Portugal, apesar da Constituição de 1822 referir que a lei é igual para todos, não fazendo referência específica a homens ou mulheres, a verdade é que em muitas vertentes continuaram a verificar-se fortes diferenças.

Em 1976 a Constituição da República Portuguesa declaradamente proíbe a discriminação em razão do sexo, consagra o principio da igualdade de direitos e deveres dos cônjuges e reconhece direitos aos trabalhadores sem distinção do sexo.

Todos sabemos que, em muitas partes do mundo, as mulheres continuam a ser vistas como seres inferiores.

Ser homem ou mulher é género. Ser pessoa é a essência de ser.

 

 

publicado por portosolidao@sapo.pt às 15:26 link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 04.03.09

Ser Feliz

"Posso ter defeitos, viver ansioso e ficar irritado algumas vezes,

mas não esqueço de que minha vida é a maior empresa do mundo.

E que posso evitar que ela vá à falência.

Ser feliz é reconhecer que vale a pena viver

apesar de todos os desafios, incompreensões e períodos de crise.

Ser feliz é deixar de ser vítima dos problemas e

se tornar um autor da própria história.

É atravessar desertos fora de si, mas ser capaz de encontrar

um oásis no recôndito da sua alma .

É agradecer a Deus a cada manhã pelo milagre da vida.

Ser feliz é não ter medo dos próprios sentimentos.

É saber falar de si mesmo.

É ter coragem para ouvir um 'não'.

É ter segurança para receber uma crítica, mesmo que injusta.

Pedras no caminho? Guardo todas, um dia vou construir um castelo"

 

Fernando Pessoa

 

 

tags: ,
publicado por portosolidao@sapo.pt às 12:57 link do post | comentar | favorito
Domingo, 01.03.09

A Inutilidade do Sofrimento

Há cerca de um ano fui assistir a uma conferência de Maria Jesus Alava Reyes baseada no seu livro intitulado “A Inutilidade do Sofrimento”.

Por circunstâncias que não vêm a propósito, confesso que me sentei na plateia com algum cepticismo.

Não posso negar que a conferencista transmitia entusiasticamente o positivismo com que é possível encarar as adversidades e não nos deixarmos “manipular” pela atracção pelo desalento. Mesmo assim não surtia, em mim, pleno efeito.

A dado momento Maria Jesus propôs um pequeno exercício: fecharmos os olhos e imaginarmo-nos num local onde tivéssemos vivido momentos de felicidade. Insistia que nos concentrássemos naquele local e que pensássemos que, ao nosso lado, estava sentada uma pessoa de quem gostávamos muito. Aos poucos foi-nos pedindo que sorríssemos, sorríssemos, ríssemos até, porque estávamos felizes. Sempre a sorrir  virássemos a cabeça para quem estava ao nosso lado na plateia e lentamente abríssemos os olhos.

Mesmo ali, junto a mim, um rosto jovem deixava cair algumas lágrimas sorrindo serenamente.

- Por instantes consegui ter o meu marido perto de mim. Está numa comissão de serviço no Afeganistão – disse-me.

Como foi fácil compreender todas as palavras de Maria Jesus naquele olhar e naquele sorriso e entender como, em cada momento, é possível fugir de sofrimentos inúteis e procurar instantes de felicidade.

 

 

publicado por portosolidao@sapo.pt às 20:20 link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito

mais sobre mim

pesquisar

 

Março 2009

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
12
13
14
15
16
18
19
20
21
22
25
27
28
29
30
31

últ. comentários

mais comentados

links

subscrever feeds

as minhas fotos

blogs SAPO


Universidade de Aveiro