As perguntas e as respostas

Estas e outras interrogações, que a todos nos invadem com maior ou menor intensidade, com maior ou menor desespero, levaram-me a partilhar este texto (adaptado) de Rilke:

 

"... tenha paciência com tudo o que há para resolver no seu coração e procure amar as próprias perguntas como quartos fechados ou livros escritos num idioma muito estrangeiro. Não busque por enquanto respostas que não lhe podem ser dadas, porque não as poderia viver. Para viver precisamente tudo, viva por enquanto as perguntas. Talvez depois, aos poucos, sem que o perceba, num dia longínquo, consiga viver as respostas."

publicado por portosolidao@sapo.pt às 20:56 link do post | comentar | favorito