...

 

 

Tive a sorte de conhecer uma mulher extraordinária.

Digo extraordinária como poderia dizer única, singular, especial, grandiosa. Mesmo assim ainda ficaria muito por dizer.

A tranquilidade foi o grande bastão da sua vida.

Em alguns momentos de inquietação, sabia transformá-los numa serenidade absoluta guiada por uma fé inexplicável que lhe trazia sempre o sorriso ao rosto.

Sem conformismo, sem submissão, sem revolta, mas segura, rija, baluarte de gerações a quem transmitiu a absoluta certeza de que cada momento é apenas o momento antes do momento seguinte.

Tive a sorte de conhecer esta mulher que me deu uma lição de vida e a vida como lição, que sabia tocar na felicidade subtilmente como se toca numa flor, que tinha nos olhos a importância de cada gesto e me agarrava com as mãos abertas cheias de amor como se cada despedida nunca fosse o fim.

Que humildade me fica, que tão pouco digo quando falo nela!

 

 

publicado por portosolidao@sapo.pt às 21:12 link do post | comentar | favorito